mídias virgens & condessa buffet

nuvenzinha, somatório de vigores, sementério de notícias, melancoriza e dengo

Archive for April 2011

Um lugar mindinho meu

with 3 comments

Gostaria de reviver a moda lançada por Roberta Miranda nos anos 90: pintar somenth o mindinho de vermelho. Close na mão esquerda:

Me pergunto por que tão nobre estilo se perdeu. Ou ainda: terá sido superstição? Promessa?

Pelo que me lembro, da estante de disco da minha avó, este não é o único disco no qual Roberta estampou este gracejo.

Jorge, conto com sua influência e kharisma.

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::Atualizando com uma valiosa informação de Samcaçambao: “é a unha que o josé rico, da dupla milionário & josé rico, usa até hoje. Daí a saber quem influenciou quem (rs…)”.

Gent isto é muito chocante vamos averiguar.

Advertisements

Written by bb

April 27, 2011 at 12:13 pm

Posted in altarzinho, cronicidade

Queu vo pra seu enterro, mizéra

leave a comment »

(…)

Teotônio é que vivia na rua. Um dia, na Praia Vermelha, meteu-se numa aventura escandalosa. Andava às voltas com uma rapariga geniosa que, quando ele menos esperava, lhe desfechou uma porção de tiros, tomada de ciúmes. Os tiros falharam, porque a moça tinha má pontaria. Mas houve grande escândalo e um jornal qualquer publicou uma reportagem sensacional sobre o incidente. Teotônio procurou impedir que a notícia chegasse à sua casa, mas Dona Guiomar, naturalmente, acabou sabendo de tudo. Já estava ficando velha e tolerava todas as infidelidades e todos os abusos do marido. Daquela vez, porém, sentiu-se atingida pelo escândalo e desmoralizada pela infâmia de Teotônio:
— Você acha que devo me suicidar, Juju?
Formulou essa pergunta à filha mais velha no mesmo tom em que interrogaria a respeito do vestido com que tivesse de ir à missa.
— Ora essa, mamãe! Eu posso lá saber? A senhora é que sabe.

(…)

Velórios [1936], do Rodrigo M. F. de Andrade, a cada conto que termina só me lembra o melhor video do mundo:

Vai morrê palá você, disgrassa

Written by bb

April 26, 2011 at 12:46 pm

montanha de pedras atiradas

with 3 comments

O escritor tem de ser quatro pessoas.

1) O pirado, o obsédé

2) O idiota

3) O estilista

4) O crítico

1 fornece material; 2 deixa ser publicado; 3 é o gosto; 4 é a inteligência

Um grande escritor tem todos os quatro – mas é possível ser um bom escritor só com 1 e 2; são os mais importantes.

Diários [1947-1963], Susan Sontag

Written by bb

April 19, 2011 at 11:42 pm

Posted in papod elevador

ROUPA COM CHEIRO DE MALA

with 2 comments

Amelinha: por onde anda?

É o que me pergunto há algum tempo.

Grande poeta e intérprete de Fagner, Ednardo, Belchior, Walter Franco e Zé Ramalho.

Já que não tenho notícias, resolvi matar a saudade reunindo nove belas canssões de seu espólio.

Um espante este fruto do Ceará.

ROUPA COM CHEIRO DE MALA

Artista: Pequena Amelia

1. Ponta de espinho
2. Galope rasante
3. Dez mil dias
4. Frevo mulher
5. Flor da paisagem
6. Foi Deus que fez você
7. Santo e demônio
8. Dia branco
9. Divindade

ABAIXE se tiver corassão.

Written by bb

April 18, 2011 at 3:16 am

a vida é sonho a vida é sonho a vida é sonho

with one comment

minha alegria

minha alegria permanece eternidades soterrada
e só sobe para a superfície
através dos tubos alquímicos
e não da causalidade natural.
ela é filha bastarda do desvio e da desgraça,
minha alegria:
um diamante gerado pela combustão,
como rescaldo final de um incêndio.

::

A poesia não tem lugar nobre pra acontecer. Não é só o mármore como os parnasianos, os cultores do monte parnaso pensavam. A poesia não tem só locais, ou materiais nobres, ela usa os mais diferentes materiais, não há vulgaridade pra ela, você pode restaurar, é um trabalho intenso, é um trabalho construtivista, não o construtivismo de 100 anos atrás, é um construtivismo dos nossos tempos, de quem está com olhos novos para o novo, com ouvidos abertos, e também com capacidade de ler diferentes tradições, não ficar ensimesmado, isolado.

::

Não suba o sapateiro além da sandália
– legisla a máxima latina.
Então que o sapateiro desça até a sola
Quando a sola se torna uma tela
Onde se exibe e se cola
A vida do asfalto embaixo
e em volta.

::

Waly Salomão de vários jeitos no Pan-cinema Permanente

Written by bb

April 17, 2011 at 12:16 am