mídias virgens & condessa buffet

nuvenzinha, somatório de vigores, sementério de notícias, melancoriza e dengo

IPHAN

with 4 comments

Quem tem avó tem patrimônio. Café de vó, bolo de vó, colo de vó, cafuné de vó, voz de vó, cheirinho de vó. Falo das minhas, vasteza de delícias. Ter avó é melhor do que ter numa mesma casa – porque quem tem avó tem casa não tem apartamento – varanda, quintal, árvore, bicho, poço e janelas grandes com boa entrada de luz. É o que penso quando deito nelas, o mundo para um pouquinho, um carinho forte e antigo, de onde será que vem? E quando elas me olham seus olhos são quatro compotas de doce de leite fresquinho dizendo Come mais, comeu muito pouco, anda, dá o prato aqui. E depois disso tirar um ronco em suas camas, as mais macias da paróquia, acordar com serenidade de índio e tomar um café quentinho. Bom assim. Ter avós. Melhor herança. Patrimônio. Bem da humanidade. Quero ser mãe só pra ser avó.

Written by bb

February 28, 2011 at 8:32 pm

Posted in emossão

4 Responses

Subscribe to comments with RSS.

  1. a minha se foi há quase um mês. era um patrimônio de união, de afeto, de querer-bem. adotava os amigos, as exes dos filhos (e neto), os funcionários dos edifícios. com dona Júlia, a casa era sempre cheia, a mesa sempre posta, o sorriso sempre largo. mineiros no que havia de melhor das Minas Gerais, cariocas no que há de melhor da Guanabara. caras, bocas, expressões, tudo expresso e transparente como um abraço de vó.

    que saudade, meu deus.

    zander catta preta

    March 1, 2011 at 2:59 am

  2. Moro com a minha avó e sei a delícia de ter tudo isso, todos os dias (tirando algumas birrinhas típicas da convivência diária)

    camys

    March 13, 2011 at 8:25 pm

  3. Sorte sua. Belíssima lembrança-texto. Só conheci uma avó. Que me escondia as compotas. Mas lembro com carinho do seu ronco, das madrugadas que passávamos juntas no sumiê, vendo bailes de carnaval pela TV. Hoje me pego dizendo coisas que ela dizia. “Minha casa, minha casinha, merda pro seu rei e a sua rainha”, quando chegava em casa cansada.

    bjs

    maira parula

    March 14, 2011 at 4:21 pm

  4. Concordo plenamente contigo, Bruna. Também sou super fã, apaixonado mesmo pela minha avó, dona Enedina Serafim de Araújo. Sempre aprendo muito com ela! Patrimônio vivo!

    Luciano Serafim

    March 16, 2011 at 6:35 pm


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: