mídias virgens & condessa buffet

nuvenzinha, somatório de vigores, sementério de notícias, melancoriza e dengo

Ladainha

with 3 comments

Não sei se tou mermo caducando, ou se a minha cabeça anda fazendo associações bizarras demais, mas lembrei do refrão daquela música do Pedro Luís & A Parede – Rap do Real – cantei e achei meio árabe:

um real aí é um real um real aí é um real aí é um real um real

Cantei mais rápido e me certifiquei. É mermo árabe.

Se a gente parar pra reparar, ladainhas de camelô, em geral, parecem sarau do alcorão. Deve ser porque árabe com meia dúzia de frases, se deixar, vende até a mãe. Ou deve ser porque ladainha é tudo igual. Mãe também.

Aí fiz uma viagem pelo Oriente na minha cabeça em 3 minutos e o que mais me emocionou de lembrar foi a moda do KHALED no Brasil e seu hit EL ARBI, do qual eu jurei ouvir muitas vezes “Guilhermiiii-guilhermi-i-i” do verso yana l’arbi.

Visto este panorama degringolado, lembrei dumas fitas com capas à la programa da ONU que meu pai me deu na infância uma vez: crianças de várias nacionalidades de mãos dadas em volta de um globo com roupinhas características de cada país, aquela representação babaca e padrão das “diferenças”. Elas cantavam e narravam em línguas estranhas.

Não sei como chegaram ao meu pai, não sei como vieram parar em mim, mas o mais importante é que não sei onde foram parar no fim. Eram vários volumes com capas diferentes, mas todas com a etiqueta incompreensível. E eu sinceramente espero que tenham ido pro mesmo lugar pronde vão os isqueiros e os guarda-chuvas, que a gente não acha nunca mais.

Muitas horas depois dessas lembranças desagradáveis, saracoteando dentro de casa, vem da sala o som do Globo Repórter. Como o GR só tem quatro pautas – saúde, lugares exóticos, religião e vida animal – vi que a matéria que se repete há seilá quantas sextas-feiras há 50 anos, era sobre Israel, Jerusalém dividida, mesquitas, garoto jesus e outros temas bíblicos.

Nessa que ouço JERUSALÉM, estico mais o pescoço e fico ouvindo a mensagem que o enviado Messias Sérgio Chapelin tem a me dizer. No BG da narração dele, uma ladainha de fundo, e eu conto pra vocês, posso jurar de pés juntos que ouvi, concluindo lembranças com fantásticas comparações, meu coração não se enganou: era o Rap do Real.

Written by bb

May 17, 2008 at 3:36 am

Posted in 1

3 Responses

Subscribe to comments with RSS.

  1. Viva a serendipity. Cuidado. Vicia.

    Simone

    May 17, 2008 at 4:41 am

  2. rsrs. uma verdadeira cartografia mental, e lindo texto.

    isaac

    May 17, 2008 at 6:10 pm

  3. Bruna,admiro muito sua poesia, mas nesse texto você desrespeitou os árabes, não é assim.Abraço.

    Pedro Pellegrino

    May 22, 2008 at 11:03 pm


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: