mídias virgens & condessa buffet

nuvenzinha, somatório de vigores, sementério de notícias, melancoriza e dengo

Archive for April 2008

Desconhecidos

with 10 comments

Várias vozes aflitas – nenhuma comemora a padaria aberta de madrugada – de uma boca só. Da qual se fez um carimbo supondo guardar todas as possibilidades de desastre. Queria saber o que tanto temem os que têm vergonha do próprio sorriso. É um tipo de medo que coloca todos os outros gestos na penumbra. Fazemos carimbos para aprisionar coisas que devemos repetir ou aplicar constantemente: estrelas, uma assinatura, corações. Pouco mistério envolve o carimbo, na verdade, as impressoras já tentaram tomar seu lugar. Mas não é fácil desprovê-lo de seu charme e utilidade, embora o cansativo exercício de reprodução pra encontrar o movimento certo deva ser diário. Exige dedicação. Por qualquer desatenção ou tremidinha a carimbada sai borrada. Há quem prefira aposentá-los, e aí o princípio das frutas secas se aplica às almofadas de tinta na gaveta nas quais é submetido ao descanso um carimbo sem uso. Foi o que comentei com meu vizinho ontem, depois de indagá-lo sobre seu hábito pouco saudável de não cantar no chuveiro. Chegamos ao acordo que banheiro é o lugar ideal pra reflexão, eu disse a ele que quando estou triste tomo banho, mas ele acha que a causa principal de todos no nosso prédio tomarem banho em silêncio é a Avenida Barulheira Luis Antonio lá embaixo: – Se eu canto você não vai me ouvir mesmo, pra quê cantar, então? É um romântico esse 401.

Written by bb

April 28, 2008 at 2:41 am

Posted in cronicidade

E assim queria ser Lenny Kravitz

leave a comment »

ma-ma-my, ma-ma-my, maaa-my

A impressão que eu tenho é que o bom inverno canta chorando.

Written by bb

April 28, 2008 at 12:20 am

FESTA NO CANIL

leave a comment »

Tem aqueles artistas que você gosta por uma música só, tem o disco mas só ouve uma música, virimexe volta a ele pra ouvir essa mesma música. E aí quando eles lançam disco novo você vai atrás de UMA música legal.

Foi assim com a música Factory, do primeiro disco da Martha Wainright, aquele que ela posa de Mariah Carey na capa:

Conheci a Martha porque curtia o CACHORRO do irmão dela. E como soube que ela vai fazer uma palhinha no show dele aqui, fui ouvir o último disco atrás da uma música legal que ela sempre me deve.

E dessa vez ela vacilou. Eu peço pouco, mas ela vacilou. Gostei de 50% de duas músicas: See Emily Play e Love is a stranger, que mesmo juntas não formariam uma música inteira decente.

Nem vale a pena ir atrás do disco porque é esquisitobrega, chato pra caralho. Não sei porque ela insiste em usar a voz, que é potente, na causa “cadela esganiçada”. Pra esganiçar também tem que saber. Taí o Herbert Vianna pra provar isso.

Marthinha, tu ficou me devendo essa.

Written by bb

April 27, 2008 at 11:44 pm

Posted in ceinca, musguignas

with one comment


o tempo é maionese

Written by bb

April 27, 2008 at 7:05 pm

Posted in cronicidade

Viradinha, viradinha

with 2 comments

No Instituto Goethe, sábado às 20h30, parte da programação da Virada Cultural:

Vídeo-performance ao vivo “Super Night Shot” com Recrutas do Gob Squad

Por meio de quatro tomadas únicas com quatro câmeras, o grupo Recrutas do Gob Squad filma cenas nas ruas que circundam o local de apresentação, uma hora antes de sua projeção para o público, sem qualquer corte ou edição, transformando a cidade em um verdadeiro set de filmagem.

Tudo é possível: presenciar uma ligação direta em um carro qualquer (com o consentimento de seu proprietário); acompanhar um beijo prolongado; ou a abdução dos protagonistas por alienígenas (devidamente paramentados). Bem ou mal-sucedido em seus intentos, o grupo documenta o ocorrido, mostrando-o como documento à platéia a partir de quatro pontos de vista distintos, numa verdadeira “guerra ao anonimato”.

Written by bb

April 25, 2008 at 1:44 pm

Posted in cronicidade

tulipas proparoxítonas

with 2 comments

Augusto de Guimaraens, Mariano Marovatto, eu, Vitor Paiva, Luis Felipe Leprevost e Domingos Guimaraens – [jan. 07 – casa do alemão – duque de caxias]

Essa chinelagem aí de cima participa do disquinho de poesia que o Marofinha, um dos 7noivos, tá gravando há anos. Ele disse que vai subir em algum lugar pro pessoal ouvir, mas mandou pra mim a versão final da nossa leitura do poema dele – Caledônia Cage – em duplinha tipo entrega do Oscar.

Subi no Mike a macabrice pra vocês terem pesadelo de noite.

Written by bb

April 25, 2008 at 1:35 am

Posted in cronicidade, musguignas

song after song after song after song amounting into mountains

leave a comment »

Eu tenho certeza que quando a Nosfe me apresentou pra Jaymay ela tava mal intencionada.

You tossed your phone fifty feet in the air, I can’t believe you caught it
You said whatever you wanted to as long as you thought it should be true
And you dream, you make movies, you dance
You moved to montreal, to be closer to france

No Myspace tem uma provinha.

Written by bb

April 24, 2008 at 6:51 pm