mídias virgens & condessa buffet

nuvenzinha, somatório de vigores, sementério de notícias, melancoriza e dengo

Nem o meu

with 5 comments

Saí do cinema querendo saber se há um sujeito por trás da pesquisa de gírias do filme Meu Nome não é Johnny ou se elas estão no livro homônimo do Guilherme Fiúza. Impecável, principalmente nas cenas de cadeia e diálogo entre os presos.

Já a trilha é bem fraca, e eu queria saber também quem é a engasgada que detonou “It’s a long way”, do Caetano. Descobri: Olivia Broadfield. Chata pra caralho, de falsa emoção, morri de tédio. 

Written by bb

January 9, 2008 at 1:56 pm

Posted in dapoltrona

5 Responses

Subscribe to comments with RSS.

  1. […] perfeitamente a década de 80. a trilha é legal, mas quando uma tal de olivia broadfield (que bruna descobriu) começa a cantar “it´s a long way”, de caê, jesus!, que anti-clímax. ela é uma […]

  2. Caralio, tive a mesma irritação no final do filme… como alguém faz aquilo com a música?

    Cathy

    January 9, 2008 at 8:07 pm

  3. Ninguém tem o direito de fazer isso com a Transa do Caetano!!!

    Miriam

    January 10, 2008 at 1:36 am

  4. caraca, tive a impressão oposta sobre a Olivia… as outras músicas são mesmo um saco, mas it´s a long way ficou fodíssima, principalmente na cena do filme. Não dá pra comparar, porque ficou muito diferente da versão genial do Caetano.

    danilo

    January 31, 2008 at 7:57 pm

  5. Porra, não dá pra comparar com nada! Ficou um lixo!
    Eu teria tido vergonha de gravar.

    bb

    January 31, 2008 at 8:48 pm


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: